Adicionar à minha lista

Receita simples de salada caesar

Ana Bacellar receita simples de salada caeser

Uma receita simples de Salada Caesar ou César, ou Caesar Salada, sempre faz sucesso e fácil de preparar.

Nos Estados Unidos, é difícil encontrar um lugar que não sirva uma Caesar Salad. O nome da receita quase que centenária! É de 1924, vem do criador Cesare Cardini, dono de um restaurante em Tijuana, bem na divisa dos Estados Unidos com o México. Há quem diga que a criação não seria do próprio Cesare Cardini, e sim do Chef da cozinha, mas o fato é que a receita continua sendo Caesar até hoje e até no restaurante de Tijuana.

A receita aparece nas prateleiras das cafeterias e dos supermercados que vendem saladinhas e sanduíches pra sair comendo pela rua, ou pra levar pra casa. Também faz parte de milhares de buffets de saladas e de cardápios de restaurantes comuns e até mesmo em fast foods e em bandejas de avião. Só que, nesses casos, elas só têm Caesar no nome. Já que não costumam passar de punhados de folhas verdes envolvidas – ou melecadas – por molhos que lembram maioneses sofríveis carregadas no alho e finalizadas com queijo ralado e cubos de pão torrado.

Eu, cá pra mim, acho que o criador da salada até se assustaria com os rumos que a receita tomou, mas teria uma pontinha de orgulhar só em saber que a salada com o seu nome ganhou o mundo e que cada um prepara a sua Caesar como pode, ainda que mantendo só uns traços.

As Caesares boas pra valer são bem diferentes dessas Caesares quase que banais.

Quando a receita nasceu, e por muito tempo, ela era preparada no salão, com o garçom chegando à mesa com a tigela contendo folhas do miolo de pés de alface romana, apoiando a bandeja numa mesinha de apoio e espalhando potinhos com os outros ingredientes ao lado pra preparar tudo na hora. Então, o garçom regava as folhas com azeite, juntava anchovas (ou um Worcestershire Lea&Perrins legítimo, que contém anchovas lá no fundo), mostarda, suco de limão, gemas levemente aferventadas, sal e uma farta rodada de pimenta-do-reino moída na hora, e misturava tudo até conseguir a emulsão leve que deixava o molho cremoso. Em seguida, o garçom acrescentava o parmesão ralado grosso, colocava a salada nos pratos e finalizava com torradas preparadas com azeite perfumado com alho.

Só que o tempo passou e, pra facilitar a vida, a maioria dos restaurantes prepara e monta a salada na cozinha. Isso, é claro, também acontece na casa das pessoas, pois o ritual do preparo do molho à mesa é um tanto complexo pro dia a dia, ainda mais pensando na vida descontraída. Ainda há a questão do frio na barriga na hora de fazer o molho, que ficará com gosto de gema crua se não bem emulsificado.

Quer dizer, é mais do que justo pensar numa receita simples de salada caesar e viável pro dia-a-dia e hoje o post é sobre ela. As folhas e os croutons (a gente vai tratar deles logo) são fundamentais pro sucesso da salada. Mas o x da questão está no molho, que pode ser preparado com até 48h de antecedência e ficar na geladeira até o momento da montagem. Com esse molho pronto, o caminho está mais do que andado.

Folhas da salada

A alface clássica é a romana, que é alongada, com o talo crocante e a folha macia e saborosa, com um verde mais claro na base e vivo nas pontas. Ela funciona bem porque tem estrutura pra receber o molho denso e os croutons e manter a harmonia da salada. Quando a folha é frágil, no primeiro contato com os outros ingredientes, ela já amolece, perde a textura, solta líquido e deixa o molho aguado, quer dizer, a salada desmorona.

Só que nem sempre é possível usar a romana, pois ela não está na lista das mais comuns no Brasil, mas a falta dela dá tranquilamente pra preparar com a alface americana, que é pura textura. No dia da foto eu usei a americana. Mas quando não tenho nem a americana, faço com a crespa, só que com ela o processo de misturar e servir tem que ser muito ágil, já que ela desmorona em minutos.

Croutons simples

Os cubinhos de pão torrados e perfumados com alho e azeite fazer a alegria de muita gente, mas eles também têm as suas manhas. Como eles dão à salada sabor, aroma, mas principalmente textura crocante, é essencial que o pão escolhido seja denso o bastante para que, mesmo depois de receber os temperos e o molho, ele continue crocante e não vire papa. Dos pães fáceis de encontrar por aí, o italiano, a baguete e qualquer outro denso e cascudo resolvem a questão, já o francês e os de fôrma básicos são frágeis demais.

Como o cubo de pão tem que ser deliciosamente crocante por fora e só com um leve macio no centro, ele não pode ser miúdo demais, pois seca totalmente e fica duro e ruim de morde. O ideal é ter cubos de mais ou menos 1 cm, que são delicados e têm superfície pra textura que se deseja.

Os cubinhos – ou croutons – podem ser assados ou dourados na frigideira, sempre com azeite, alho e, pra quem gosta, com um tanto de pimenta do reino. Em casa, a gente capricha na pimenta-do-reino, que dá outra dimensão à salada, mas isso depende de cada uma.

Pra facilitar a vida, é possível deixar os croutons prontos num pote bem fechado por até 48h.

O molho caesar

Assim como a maionese, o molho Caesar é uma emulsão que acontece a partir do óleo e do ovo, mas há diferenças, sendo o Caesar menos espesso e com temperos mais carregados. Como acontece com toda receita, é importante entender a importância de cada ingrediente e, só depois disso, partir pra pensar em mudar isso ou aquilo. Isso vale pra tudo, do óleo, ao azeite, ao molho inglês, à mostarda, ao alho, o limão, ao queijo e às anchovas.

A emulsão acontece o óleo, incorporado lenta e constantemente aos outros ingredientes, vai se quebrando em partículas que se juntam aos ovos, que sempre devem estar em temperatura ambiente na hora de preparar o molho (eu retiro da geladeira com uns 30min de antecedência). O suco do limão é essencial pro frescor da receita e também não pode estar gelado no momento de preparar o molho. A receita original, ao que se sabe, levaria o limão siciliano, mas ela fica deliciosa e fresquíssima com os nossos limões verdes. Eu tiro sempre os (costumo retirar da geladeira meia hora antes).

Como também acontece com a maionese, na receita simples de salada caesar eu misturo óleo de milho ou de girassol e azeite de oliva (não precisa ser aquele extravirgem especialíssimo), assim consigo um molho mais delicado.

O alho é essencial pra receita, eliminar é praticamente dizer que a receita tem como molho uma maionese clássica. Uns simplesmente colocam o alho no liquidificador com os outros ingredientes, ou ralam o alho, mas há a opção de “sabor mais sutil”. Pra conseguir que alho não fique tão agressivo e dominante, há duas possibilidades, e que podem ser usadas em conjunto (eu faço assim): cortar os dentes ao meio e gérmen, que é o broto central, e aferventar os dentes inteiros por duas vezes, trocando a água. A delicadeza do molho será outra.

Os filézinhos de anchova em conserva entram no molho com tamanha perfeição que muita gente nem desconfia da presença deles, incluindo bastante gente que jura de pés juntos que não come peixe e leva susto quando lê a lista de ingredientes. Ao contrário do que se imagine, a anchova chega com tamanha sutileza que elas dão sabor e textura ao molho, mas mal se diz que elas estão sequer por perto.

Deixe sempre pra acertar sal e pimenta no final, pois um bom número de ingredientes da receita já tem características intensas e sal.

Faço tudo no liquidificador, que é o jeito mais prático e rápido, guardo num pote que feche bem e deixo por até 48h na geladeira. Na hora de usar, só abrir o pote e diluir com umas gotas de água se o molho estiver grosso demais. Com essa praticidade, o molho passa a ser o “molho de desejo” de almoços e jantares do tipo “cada um leva uma coisa”, tanto que já me pediram pra levar potes do molho e alguns almoços e jantares na praia.

Se quiser saber mais sobre a maionese e os seus truques, vale conferir o post sobre maionese, que foi a primeira receita que fiz sozinha, quando eu tinha 6 anos.

Finalização da salada

O parmesão entra em lascas finas ou ralado grosso e, como sempre, quanto melhor o queijo, melhor o resultado. Cada um usa o parmesão que for possível, desde que não seja daqueles em pó muito fino, quase areia, pois a textura mais grossa é importante pro resultado.

Como acontece com toda salada com folhas, é fundamental misturar o molho e servir em seguidíssima.
Delicie-se com essa receita simples de salada caesar, fácil de preparar, com ingredientes tradicionais, mas sem frescuras.

Ingredientes

Salada e croutons

  • 4 fatias de pão italiano ou de outro pão cascudo em cubinhos de 1 cm (umas 2 e ½ xícaras de pão já em cubinhos)
  • 1 dente de alho ralado
  • ¼ de xícara (chá) de azeite de oliva (60 ml)
  • 2 pés de alface romana ou uns 3 pés de alface americana (é importante usar alface com talo crocante)
  • 50 g de um bom queijo parmesão ralado grosso
  • Sal
  • Pimenta-do-reino

Molho

  • 1 ovo em temperatura ambiente
  • 1 gema em temperatura ambiente
  • 2 dentes de alho descascados e inteiros
  • 1 colher (chá) de mostarda (Dijon de preferência)
  • Suco de 1 limão em temperatura ambiente
  • 4 filés de anchova bem escorridos e secos (se preferir, deixe de lado)
  • ¼ de xícara (chá) de óleo vegetal (60 ml)
  • ½ xícara (chá) de azeite de oliva (120 ml)
  • 50 g de queijo parmesão ralado
  • Sal
  • Pimenta-do-reino

Preparo

Misture o pão, o alho ralado, o azeite, sal e pimenta numa assadeira, espalhe e asse por uns 10min, até dourar e secar (se quiser, prepare antes e guarde num pote bem fechado por uns 2 dias).

Pro molho, coloque o ovo, a gema, os dentes de alho, a mostarda, o limão, a cebola, a anchova, um pouco de pimenta-do-reino e o óleo no liquidificador e bata até misturar e virar uma pasta.

Pela abertura da tampa do copo, sem parar de bater, vá acrescentando aos poucos o azeite em fio até conseguir um molho encorpado e cremoso.

Junte o parmesão ralado, bata só para incorporar. Não acrescente sal, pois o molho já tem o sal da anchova e do queijo.

Passe pra um pote com tampa e, se quiser, guarde por até 2 dias na geladeira.

Na hora de servir, numa saladeira funda, coloque metade do molho, as folhas de alface bem lavadas e secas, o parmesão, o restante do molho e os croutons e misture.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *