Adicionar à minha lista

Receita de queijadinha caseira

Ana Bacellar como fazer queijadinha caseira

Como fazer a receita de queijadinha caseira, aquela de antigamente mesmo, é coisa que muita gente quer aprender. A receita é pura perfeição, com muito sabor e texturas aos montes.

Nossas queijadinhas vêm das queijadas portuguesas, que aparecem por lá há uns 800 anos. É muito tempo pra um doce. Há versões espalhadas pelo país, mas as de Sintra são as mais queridas, não tem jeito. Eu me lembro de cada mordida das queijadas que comi nas 3 vezes que estive em Sintra.

Segui o caminho das pastelarias tradicionais, umas com mais de 160 anos, e comi queijadas da Sapa, da Mathilde, da Piriquita e da Gregório. Não foi à toa que Eça de Queiroz disse “olha, não me esqueçam das queijadas” num dos trechos de Os Mais que acontece em Sintra.

As queijadas de Sintra têm uma camada de massa fina forrando a forminha e dentro dela vai uma mistura de ovo, açúcar, requeijão, canela e amêndoa. No forno, a base fica crocante, o recheio ganha um cremoso delicioso por dentro e um dourado irresistível por cima.

Como a vontade de comer queijada bateu forte em quem estava no Brasil, mas amêndoa era raridade, colocaram coco no seu lugar. O coco deu tão certo que a queijada daqui virou de coco e, lá em Portugal, fez tamanho sucesso que virou a queijada brasileira.

Só que, como nem todo mundo aqui no Brasil tinha queijo pra usar na receita, uns começaram a fazer queijada sem queijo, mas mantendo o nome. Quem manteve o queijo teve que se adaptar com queijo mineiro fresco começando a firmar ou queijo mais curado ou ricota. Isso tudo porque o requeijão português nada tem a ver com o nosso, parece ricota despedaçada.

Por conta do coco que tem sabor e aroma de sobra, a canela também ficou de lado, mas nada impede que se use canela ou raspas de limão ou de laranja.

Pra facilitar o preparo, a casquinha de massa de farinha e água que deixa a base sequinha e firme também virou opcional. Com a base, as queijadas ficam empilháveis e fáceis de empilhar pra embrulhar e transportar. Em Sintra, fazem pacotes de queijada com papel e aqui a gente vê as pilhas de queijadinha em sacos plásticos.

A massa, que não gosto de nada e nem dá crocante pra valer, é bem dispensável. Os contrastes de textura ficam por conta do coco, ou do coco com o queijo, o miolo cremoso e o topo crespinho. É por isso que as queijadas mais úmidas e pra consumo rápido são assadas direto nas forminhas de papel e sem a massinha por baixo. Na hora de forrar a forminha com a massa, uns colocam o disco e dobram fazendo pregas pra acertar, outros pinçam com os dedos pra conseguir 7 pontas como estrela.

A receita de queijada caseira sergipana de São Cristóvão tem a camada de massa fina e crocantezinha com o recheio cremoso de coco, ovo e açúcar, nada de queijo.

Mas eu, que adoro queijo e adoro coco, fico com as queijadas com queijo e com coco e acho que a textura dos dois com os ovos e o açúcar dão o doce perfeito: cremoso por dentro e levemente caramelizado por cima.

Ainda quanto ao nome, a gente bem vê que os portugueses ficam com queijadas, que têm uns 50 g, e por aqui, com a preferência pelas miúdas, virou queijadinha. Um docinho pra devorar com uma ou duas mordidas.

Não faltam receitas de queijadinha de liquidificador e com leite condensado, que é gostoso, mas que não precisa fazer parte da massa da receita de queijadinha caseira. Brigadeiro, que eu amo, tem que ter leite condensado, mas isso não precisa acontecer com a queijadinha.

Eu sigo firme com uma receita do caderno muito antigo da Maria, uma senhora encantadora que passou a vida toda na casa da minha Tia Iara e cozinhava como pouca gente nesse mundo. Como a Maria tinha um jeito bem português de cozinhar, as receitas com ovos sempre começavam com uma calda açúcar, mas bem simples.

Eu misturo a água e o açúcar numa tigela panelinha até dissolver, tampo a panela e aqueço. Com o vapor que surge com a panela tampada a gente evita a formação de cristais de açúcar nas bordas e as chances da calda açucarar despencam. A técnica de limpar as bordas com pincel molhado com água sempre funciona, mas a da tampa facilita a vida.

Deixo a calda ferver por uns 5min, até surgirem bolhas grandes, desligo o fogo e junto os pedaços de manteiga e deixo amornar por uns 10min. Em seguida, misturo os ovos peneirados, o coco, a farinha e o queijo só até conseguir um creme homogêneo.

Quanto ao coco, não dá pra negar que coco fresco é tudo de bom, mas nem sempre se tem um coco assim por perto. Se não tenho o fresco, uso um bom coco seco e tudo resolvido. O que importa é ter uma queijadinha gostosa!

Como a receita de queijadinha caseira não é um bolinho de coco, e sim um doce cremoso por dentro e firme por fora, ela tem que assar em banho-maria. Eu aqueço o forno a 180ºC (médio) e coloco 1L de água pra ferver (com a água fervente, o tempo de forno cai e a queijadinha fica mais macia). Pra assar, eu separo uma assadeira média, coloco na base umas 2 folhas de papel toalha pra evita que as forminhas chacoalhem e a água entre nelas. Então espalho umas 15 fôrmas de empada na assadeira, coloco 1 fôrma de papel dentro de cada uma e preencho com a massa até ¾ da altura.

Pra evitar acidentes com a água fervente, eu coloco a assadeira ao forno e despejo a água com cuidado. Em mais ou menos 30min, o perfuma das queijadas invade a casa e elas ficam com a superfície dourada e com o crocante do coco. Nessa hora, eu retiro a assadeira do forno com cuidado e, com a ajuda de um pano seco, retiro as forminhas da assadeira com água. Faço isso pra parar o cozimento, pois se continuarem na água elas passarão do ponto.

Como as queijadinhas têm que esfriar pra firmar, é preciso esperar pra servir e não tem jeito. Dá pra comer as queijadinhas quentes ou mornas, mas elas ficam bem melhores em temperatura ambientes e com um repouso de umas 6h (ou no dia seguinte).

Se quiser adiantar a vida, prepare as queijadinhas com até 2 meses de antecedência e deixe no freezer. Pra congelar, mantenha as queijadinhas assadas na forminha de papel apoiada na de metal e coloque num pote bem fechado. Umas 6h de servir, retire o pote do freezer e deixe descongelar naturalmente sem abrir a tampa pra evitar que as forminhas de papel fiquem úmidas.

Queijadinhas ficam lindas numa mesa de aniversário ou de festa junina ou como sobremesa de uma refeição bem brasileira.

Gostou de aprender a como fazer a receita de queijadinha caseira? Partiu cozinha!

Como fazer queijadinha caseira

Ingredientes

  • ½ xícara de água (120ml)
  • 1 e ½ xícara de açúcar (225 g)
  • 50 g de manteiga gelada em cubos médios
  • 4 ovos
  • 1 xícara de coco ralado fino, fresco de preferência (120 g; ou 100 g de coco seco)
  • 1/3 de xícara de farinha de trigo (40 g)
  • ½ xícara de queijo-de-minas fresco, mas começando a frimar, ou meia-cura, ou ricota ou parmesão ralado (50 g)
  • 15 forminhas descartáveis de 2 cm

Preparo

Fora do fogo, misture a água e o açúcar até dissolver completamente.

Tampe a panela e aqueça. Quando ferver, destampe a panela de deixe ferver por uns 5min, até conseguir uma calda com bolhas grandes e que caia em fio quando se levanta a colher.

Retire do fogo, junte a manteiga e deixe esfriar.

Passe os ovos por uma peneira (assim, fica para trás a película que dá o gosto forte de ovo ao doce) e coloque na calda. Junte o coco, a farinha e o queijo e misture até conseguir um creme homogêneo.

Aqueça o forno a 180ºC (médio), ferva 1 litro de água pro banho-maria, separe 1 assadeira média e forre com umas 2 folhas de papel absorvente pra a água não borbulhar.

Coloque as forminhas de papel dentro de forminhas pra empada e espalhe na assadeira. Despeje a massa nas forminhas até uns ¾ da altura e coloque a assadeira no forno. Com cuidado, despeje a água fervente no fundo da assadeira até no máximo metade da altura das forminhas.

Asse as queijadinhas por uns 30min, até que estejam douradas e firmes.

Retire do forno, aguarde 5min e, com cuidado, retire as forminhas da água, depois retire as queijadinhas das forminhas de alumínio e passe para um prato.

Deixe esfriar por pelo menos 6h, ou até por um dia, e sirva nas forminhas de papel. Se quiser, guarde as queijadinhas num pote fechado e em temperatura ambiente por até 2 dias (só levo à geladeira se o calor for grande).

Se preferir, prepare as queijadinhas com até 2 meses de antecedência, coloque todas elas ainda nas forminhas de alumínio num pote bem fechado e congele.

Umas 6h antes de servir, retire o pote do freezer e deixe descongelar naturalmente sem abrir a tampa pra evitar que as forminhas de papel fiquem úmidas.

6 Comentários

  1. 1
    • 2

      Bom dia!
      Obrigada pelo carinho. A receita é deliciosa, vale experimentar.
      Conte depois como ficou e continue aqui com a gente.
      Abraços, Ana e Helô

  2. 3
    • 4

      Marina, bom dia!
      A gente costuma colocar as quantidades também em gramas, mas aqui passou. Acabamos de incluir. Use uns 120 g de coco fresco (normalmente pouco menos de meio coco, se for ralar em casa). Se for usar coco seco, que é mais leve, serão 100 g.
      Conte sempre com a gente.
      Abraços, Ana e Helô

  3. 5

    Há muito tempo venho procurando uma receita boa de queijadinha sem leite condensado. Vou fazer essas para a sobremesa de domingo.
    Gostei do texto explicando as variações de queijadinhas que encontramos.

    • 6

      Ednaldo, bom dia!
      Muito obrigada pelo carinho. Mensagens como a sua alegram o dia aqui Na Cozinha da Helô.
      Experimente e não se esqueça de contar como ficou.
      Continue aqui Na Cozinha da Helô, pois não faltam histórias, fotos, dicas e receitas apetitosas.
      Abraços, Ana e Helô

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *