Adicionar à minha lista

Purê de mandioca com queijo

pure de mandioca com queijo

Quando preparo um tanto de purê de mandioca com queijo, não preciso de mais nada, só com ele já tenho a refeição.

Adoro mandioca! E falo isso mil vezes, pois sempre há quem pergunte se gosto mais de batata ou de mandioca. Respondo que as duas são incríveis, que há dias em que prefiro comer algo com batata, mas acabo sempre confessando que, se só tivesse uma única e exclusiva chance, ficaria com mandioca.

Digo que há poucas coisas tão boas como mandioca cozida saindo da panela com manteiga, melado ou mel, clássico ou de nativas (vale muito experimentar, os sensacionais da MBee), mandioca frita crespinha, sopa de mandioca, pães e bolos de mandioca (o bolo de mandioca só de misturar é um dos meus preferidos e não resisto ao bombocado de queijo, coco e mandioca) e um purê de mandioca e queijo é das boas coisas da vida.

Assim como o purê de batata, o purê de mandioca vai bem com arroz de todo dia, feijão de todo dia, rosbife simples como deve ser, lagarto de todo dia, bife à milanesa, bife enrolado, frango com quiabo e muito mais. E é tão bom que dá pra comer só purê!

Muita gente pensa que, pra fazer um purê, basta espremer a batata, ou a mandioca, e misturar de uma vez um pouco de leite e de manteiga. É uma mistura cremosa, não dá pra negar, mas não tem nada a ver com um purê pra valer, que tem os seus métodos e truques pra acontecer. Antes de mais nada, é preciso compreender que batata, batata doce, mandioca, cará, inhame ou mandioquinha deve ser “mexidos ou misturados” com eficiência e delicadeza, pois quando se mistura demais, com batidas intermináveis, o purê vai virando um “grude”, elástico e pesado demais.

O segundo ponto é pensar que, pra ser um purê cremoso e com gosto amanteigado, ele precisa ter leite e manteiga, da mesma forma que, se for de azeite ele precisará ter azeite. E quando se diz manteiga é manteiga, não é uma colher de chá, é manteiga numa quantidade um tanto maior. Aí vem a pergunta: e não ficará engordurado, saturado em manteiga? E a resposta é: se a manteiga for colocada na panela de uma vez e só misturada, o purê será pura gordura, mas se ela for incorporada de pouco em pouco, o resultado não terá nada de engordurado, pelo contrário, será pura cremosidade e delicadeza. Ao terminar de incorporar a manteiga, a aparência da preparação será totalmente diferente da base apenas espremida, mas ainda não estará na textura perfeita, que só acontece quando se aveluda ou amacia tudo com um pouco de leite, ou de creme de leite (eu uso leite, acho que resolve bem).

Ou seja, tudo começa com o cozimento da mandioca, processo que eu explico no post mandioca cozida. Aí vem o momento de transformar a mandioca cozida em uma pasta leve, e a missão não é tão simples como no caso da batata. Batata é simples de espremer, mesmo depois de fria. Dá pra passar no espremedor de batata uma mandioca boa e cozida até ficar muito macia, mas as coisas se complicam tanto quando ela esfria e resseca, como quando ela naturalmente mais massuda. Nesses dois casos, a saída será bater no liquidificador ou no processador com o mínimo possível do líquido do cozimento, só mesmo até conseguir uma massa homogênea. Digo bater o mínimo porque quando se bate demais a mandioca começa a virar uma pasta grudenta, que terá o mesmo sabor, mas a textura será mais “cola”.

A mandioca espremida volta pra panela pra aquecer, pois só assim será possível agregar a manteiga como se deve. Mantendo o fogo baixo, pois não se quer que a manteiga derreta e vire “gordura líquida”, mas sim algo cremoso, é hora de incorporar o leite fervente de pouquinho em pouquinho, só assim a preparação não virará uma sopa. Depois do leite, vem a manteiga, também pra incorporar aos poucos. Mas como? Simplesmente misturando sempre com uma espátula e acrescentando de pouco em pouco, ou seja, junta-se ¼ da manteiga, quando ela “sumir” e for incorporada pela mandioca junta-se mais ¼, depois o outro ¼ e a última parte.

Como a receita que vai aqui leva queijo, eu costumo juntar o queijo e deixar o ajuste do sal pro final, pois cada queijo tem o seu tanto de sal.
Sem lactose: use leite e queijo sem lactose, mas apenas para quem tolera manteiga.

Ingredientes

Ingredientes de preparo 1

  • 1 kg de mandioca descascada, lavada e em toletes de uns 5 cm
  • 1 xícara (chá) de leite fervente (240 ml)
  • 150 g de manteiga gelada em cubinhos
  • 1 xícara (chá) de queijo Minas meia-cura ralado grosso, ou o queijo que quiser e derreta bem (pode ser coalho, mussarela, provolone, gruyère ... – não estou colocando peso porque os queijos têm pesos diferentes)
  • sal

Preparo

Coloque a mandioca e ½ colher (sopa) de sal numa panela, cubra com água fria, aqueça, abaixe o fogo quando ferver e cozinhe até amaciar, espetando com um garfo pra testar (se preferir, cozinhe a mandioca na panela de pressão).

Escorra e esprema a mandioca ainda bem quente, pois ela resseca rapidamente e fica difícil de espremer. Se não der mesmo pra espremer, bata a mandioca ainda bem quente no liquidificador ou no processador um o mínimo possível do líquido do cozimento ou com água, só o bastante pra conseguir uma massa homogênea.

Se a massa estiver bem quente, o processo poderá ser feito fora do fogo, mas se a mandioca já estiver morna, volte com ela pra panela e aqueça bem antes de iniciar a etapa seguinte.

Despejando aos poucos e misturando sem parar, incorpore o leite fervente à mandioca. Quando o leite “sumir”, também aos poucos e sempre misturando com a espátula e fazendo movimentos de cima pra baixo, junte 1/4 da manteiga, incorpore totalmente e acrescente mais ¼, mais ¼ e o último ¼. Misture o queijo, que vai derreter na hora, pois a mandioca ainda estará bem quente, acerte o sal e sirva em seguida, ou mantenha o purê aquecido em banho-maria por até 1 hora (depois disso, o sabor e a textura começam a mudar).

PURE DE MANDIOCA COM QUEIJO

2 Comentários

  1. 1
    • 2

      Lorenna, boa tarde!
      Que delícia saber que você gostou do purê de mandioca com queijo e que ele já passou a fazer parte da sua cozinha.
      Conte sempre com a gente.
      Abraços, Ana e Helô

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *