Adicionar à minha lista

Pipoca doce caramelada

É o pipoqueiro, é o pipoqueiro…. Sempre tem pipoqueiro andando pela rua, num canto de praça, na entrada do circo, do cinema, do parque de diversões ou da escola e onde tem pipoqueiro e cheiro de pipoca quentinha, tem gente fazendo fila. Ao contrário do meu marido, que ama pipoca e nunca tem preguiça de ir à cozinha preparar uma panela bem cheia pra comer devagar na frente da TV, passo muito tempo sem lembrar da sua existência.

O fato é que pipoca tem que ser muito interessante pra me conquistar, como acontece com a Pipoca com parmesão da praça de São Luiz do Paraitinga.
Os doces avermelhadas nunca me seduziram, mas como eu adoro sabor, aroma, textura e cor de caramelo, sempre achei interessantes as pipocas caramelizadas e douradas.

Há não muito tempo, uma revista veio me pedir pra fazer pipoca doce pra festa junina e acabei entrando no assunto. Pesquisei daqui e dali, comecei a perguntar, a puxar conversa com apaixonados por pipoca e com pipoqueiros e vi que a maioria faz o caramelo e a pipoca separadamente e depois junta tudo.

Experimentei fazer desse jeito, mas o método não me convenceu, pois a pipoca não ficava caramelizada pra valer, só levemente envolvida pelo caramelo. Inconformada com o resultado, continuei as buscas, vi que algumas receitas diziam pra preparar tudo e tive certeza de que esse seria o caminho. Comprei mais milho e fui testar. De cara, foi pro lixo a versão que pedia pra fazer o caramelo, juntar o milho e deixar estourar, só que ele endureceu no caramelo e quase não estourou.

A Eri, do meu super trio de meninas que me ajuda nas pesquisas, testes e produções de receitas e fotos, veio me dizer que na casa dela todos faziam pipoca caramelizada e que o método era ultra simples, só misturar óleo, água, açúcar e milho numa panela e esperar a pipoca e o caramelo acontecerem juntos.

Fizemos juntas, exatamente do jeito dela e, quando abri a panela, fiquei feliz da vida com aquelas pipocas douradas e brilhantes. Teimosa, pois caramelo queima, fui roubar uma pipoca e fiquei intrigada quando percebi que ela estava muito úmida, mas a Eri disse que assim mesmo, que seria só colocar tudo numa tigela imediatamente e mexer de vez em quando durante uns 5min pra pipoca secar e não grudar (sem mexer, ela gruda e vira um bloco).

Deu tão certo que comprei mais milho e fiz a receita mais três vezes pra acertar as quantidades. A água é essencial, pois sem ela o açúcar carameliza rápido demais e o milho não estoura direto.

Desde que lançamos o site essa receita é a nossa campeã de visualizações. Muita gente, mas muita gente mesmo, testou e conseguiu uma panela de pipocas douradas e deliciosas, mas também é fato que um número razoável de pessoas teve dificuldades e dúvidas e acabou me escrevendo.

Diante dessas dúvidas e resultados não tão felizes, decidi fazer mais testes e pesquisas. A receita estava certinha, mas concluí que com algumas mexidas ela ficaria ainda melhor, com menos chances de erro.

Percebi que, com 4 xícaras (chá) de açúcar a quantidade de caramelo estava um pouco grande, sobrava um tanto no fundo da panela e esse tanto poderia ser o responsável pelas falhas (se a panela não fosse espaçosa, ela queimava). Diminuí pra 3 xícaras (chá) de açúcar, o caramelo passou a ser exatamente o necessário pra envolver os grãos e, assim, os riscos de queimar e amargar praticamente desapareceram.

Também experimentei acrescentar 1 colher (chá) de vinagre de vinho branco ou de maçã junto da água, dica pra ajudar a não queimar e, também, pra conseguir pipocas bem crocantes. Realmente funcionou, então acrescentei o ingrediente, que não dá gosto, nem aroma à pipoca pronta.

E concluí que é fundamental usar uma panela bem grande (as com tampa de vidro são perfeitas, permitem que a gente veja as pipocas estourando e controle melhor o processo).

Quanto ao processo: funciona colocar tudo de uma vez na panela, mas cheguei à conclusão que é mais fácil começar misturando a água, o óleo, o vinagre e o açúcar na panela até dissolver e só então juntar o milho, mexendo só de vez em quando até começar a estourar, e não mexendo direto.

Tenha paciência, há um momento em que parece que a calda se separa, o milho fica quase que nadando na calda e a impressão que se tem é de que tudo vai dar errado, mas aí começa a estourar, aí sim é hora de tampar a panela e, segurando com um pano, movimentar a panela pra misturar sempre pra evitar que a pipoca grude na base da panela.

Importantíssimo: o milho tem que ser realmente ótimo, daqueles que estouram pra valer, pois com o açúcar ao redor os grãos têm mais resistência no momento de estourar e sobram vários sem estourar.

E mais: as pipocas já em temperatura ambiente e secas ficaram perfeitas por uma semana guardadas tanto num pote bem fechado, como num saco também fechado.

Ingredientes

  • 4 colheres (sopa) de água (60 ml)
  • 4 colheres (sopa) de óleo vegetal (60 ml)
  • 1 colher (chá) de vinagre de vinho branco ou de maçã
  • 3 xícaras (chá) de açúcar (450 g)
  • 1 xícara (chá) de milho para pipoca (180g)

Preparo

Numa panela grande e espaçosa, misture a água, o óleo, o vinagre e o açúcar. Aqueça e mexa até começar a dissolver e conseguir uma mistura esbranquiçada, homogênea e começando a ficar líquida.

Junte o milho e misture. Mantenha no fogo, mexendo de vez em quando, até o primeiro milho estourar. Tenha paciência, pois o processo leva alguns minutos, a água tem que evaporar (mas sem ela os riscos de dar errado são maiores) e o grão precisa começar a inchar pra estourar.

Tampe a panela e, mantendo em fogo médio e segurando com um pano, movimente a panela até que os grãos parem de estourar.

Despeje as pipocas numa assadeira e, mexendo com delicadeza pra não esfarelar, e de 5 em 5min, vá soltando os blocos.

Quando a pipoca esfriar, passe pra um pote com tampa e sirva.

Ela se conserva bem por 1 semana.

38 Comentários

  1. 1
  2. 3
  3. 5
  4. 7
  5. 9

    Ficou muito boa a pipoca, fiz exatamente como orientam, a única diferença é que coloquei 3 xic de açúcar ao invés de 4, pra ficar “light” kkkkkk…. Valeu, abraço!

  6. 11
  7. 13
  8. 15
  9. 17
  10. 19

    Tinha tentado outras receitas e sempre dava errado. Hoje fiz a sua e deu certo. Fácil, fácil. Só queria uma dica pra ficar mais moreninha, sem queimar.

  11. 21

    Gosto de fazer pipoca de chocolate estourando a pipoca e depois reservava ela , aí fazia uma calda de chocolate mais densa não muito quente pra não murcha a pipoca.
    Hoje fiz com a receita usando todas medidas iguais 4 colheres de cada um meia xícara, ficou show

  12. 23
  13. 25

    Primeiro vez que consigo Fazer uma receita de pipoca doce, semana ter a panela própria. Fica muito gostasa, para o meu gosto tem muito açucar, eu gosto de comer a pipoca qnd ela n está toda envolvida pelo caramelo, mas isso é uma questao de gosto, pessoal.

  14. 27
  15. 29

    ja fiz a receita uma vez e deu super certo, tenho que fazer hoje de novo mas estou sem o óleo. O mais próximo de óleo que eu tenho é a gordura de porco. Eu sempre uso pra cozinhar, mas não sei se daria certo. O que você acha helo?

  16. 31
  17. 33
  18. 35
  19. 37

Deixe uma resposta

O seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *