Adicionar à minha lista

Paçoca de amendoim da roça

Ana Bacellar

Até o final dos anos 1980, na fazenda, que fica na zona rural de São Luiz do Paraitinga, quase ninguém tinha carro, ir à cidade era complicado e demorado e, assim, um pão sovado, um bolo simples ou uns bolinhos de chuva eram os acompanhamentos mais consistentes pro café.

Só que, por costume, mesmo quem tinha em casa um pedaço de pão, que nunca era fresco, ou de bolo ou um bolinho de chuva, não abria mão de um punhado de paçoca doce de amendoim pra comer de colher entre um gole e outro. Eu tomei tanto café na caneca com paçoca que até hoje preparo a dupla pra matar a vontade.

A paçoca que se fazia na zona rural de São Luiz do Paraitinga era sempre de pilão e começava com a torra do amendoim até a pele rachar. Ou se torrava no forno do fogão de lenha ou na frigideira de ferro mexendo sem parar. Depois vinha a hora de abanar com uma peneira enorme de bambu pra pele avermelhada acabar de sair, eu achava lindo ver o amendoim voar e a pele se espalhar pelo ar. Aí o amendoim ia pro pilão com açúcar e farinha e chegava a hora de socar.

Usavam farinha de mandioca não muito torrada ou de milho pra deixar a paçoca mais nutritiva.
Socar era um processo lento, o baque da mão do pilão precisava ser firme e ritmado, não adiantava bater muito forte num momento, espirrar farinha pra fora do pilão e depois bater devagar, tudo tinha que fluir devagar e sempre. De pouquinho em pouquinho, o óleo do amendoim ia se mesclando ao açúcar e à farinha, o amendoim esmagado se misturava ao restante e, de repente, tudo se transformava numa farofa grossa deliciosa. Essa farofa úmida e saborosa, já paçoca, ia pra lata e durava no máximo uma semana. Abrir a lata já era delicioso, subia o perfume do amendoim com açúcar, e a primeira colherada era demais de bom.

Aqui vai o método do processador, que funciona. Que lembrança doce!

Ingredientes

  • 2 xícaras (chá) de amendoim cru e com pele (250 g)
  • ½ xícara (chá) de farinha de mandioca não muito torrada (50 g)
  • 1 e 2/3 de xícara de açúcar (250 g)

Preparo

Aqueça o forno a 200ºC (alto).

Espalhe o amendoim numa assadeira que acomode tudo numa só camada e leve ao forno por uns 20min, até que esteja bem perfumado, seco, com a pele rachando e ligeiramente dourado.

Esfregue o amendoim com as mãos pra soltar a pele e abane com uma peneira pra conseguir descartar toda a pele.

Coloque o amendoim, a farinha e o açúcar no processador. Com a tecla pulsar, processe até conseguir uma farofa homogênea e úmida.

Passe pra um pote com tampa e sirva com café, banana, sorvete, iogurte ou utilize como parte de bolos, sobremesas e até de pratos salgados. Ela se conserva bem por até 1 semana fora da geladeira num pote bem fechado.

15 Comentários

  1. 1
  2. 3
  3. 5
  4. 10

    Moro aqui em S.L. do Paraitinga e com a minha mãe, se usava farinha de milho … não e de mandioca. Também fazia a paçoca de carne com farinha de milho … sdd dela.

    • 11

      Oi, Nilson! Adorei sua mensagem, também cresci com paçocas de farinha de milho, sempre socadas no pilão e adoro! Sempre que posso, preparo em casa tanto a doce quanto a salgada no pilão que tenho ao lado da cozinha. Bjs

  5. 12

    Hoje comprei paçoca de rolinho em uma casa de doces naturais… De repente, lembrei que minha mãe fazia paçoca no pilão quando eu era criança. Incrível esta preciosa lembrança tinha se apagado, mas estava guardadinha lá no fundo da minha memória. Então vim procurar aqui na internet e vi a sua receita, Heloísa Bacellar, fiquei tão emocionada, parece que eu estava perto da minha mãe ao lado do pilão. Estou hoje com 66 anos e já faz dez anos que a minha mãezinha foi para o céu… Lágrimas nos olhos. Obrigada pelo bem que você me fez.

    • 13

      Oi, Neuracy! Que linda mensagem, ela com certeza alegrou o meu dia!! É muito gratificante saber que minha receita lhe trouxe uma lembrança tão querida e especial! Bjs

  6. 14

    De vez em quando eu também faço paçoca de pilão. É nessas horas que me lembro ainda mais da minha mãe querida que faleceu à mais de cinco anos. Algumas vezes eu substituo a farinha por biscoitos de maizena.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *