Adicionar à minha lista

Donut – Tipo bolinho

Ana Bacellar

Como eu sou gulosa, e bem curiosa, adoro sair por aí experimentado de tudo um pouco. Quando viajo, essa vontade de conhecer novas receitas aumenta ainda mais e, pra conseguir dar conta de provar ao menos um tiquinho de cada coisa que encontro, a minha técnica é justamente comer sempre pouco, principalmente no almoço e no jantar e, assim, petiscar o dia inteiro.

Há uns meses, estive com a Ana em Los Angeles e a gente ficou numa casinha em Venice Beach, a um quarteirão da Abbot Kinney, uma rua cheia de lojas charmosas e lugares gostosos pra comer. Logo no primeiro dia, a gente sentiu um cheiro doce na calçada e logo descobriu que vinha de uma loja de donuts linda demais, com um balcão na entrada e a cozinha toda aberta atrás. Claro que entrei e fiquei encantada com a vitrine. Havia uns 8 expostos, só mesmo pra mostrar os sabores, pois eles pegavam os donuts ainda mornos das assadeiras. Eram todos lindos, meio quadrados, uns mais claros, outros mais escuros, e com coberturas e glacês variados, mas sempre de um jeito totalmente artesanal, natural e que dava água na boca.

Dava vontade de comer um de cada, mas me segurei e, pensando que seria vizinha da loja por uma semana, resolvi começar com o mais básico, massa de baunilha e glacê de baunilha e canela… Uau… Que incrível!!! A primeira mordida contava tudo, a Blue Star Donuts com certeza era muito especial. Eram donuts com consistência de bolinhos, macios por dentro e crocantíssimo e cheios de casquinhas por fora, fritos com perfeição e com glacês ultra saborosos de cobertura. Eram completamente diferentes dos donuts fofíssimos que a gente encontra com mais frequência, que eu também adoro.

À noite, li o folheto com a lista dos sabores e fiquei mais encantada ainda, só pensava nos donuts e na escolha do dia seguinte. Fui pesquisar e vi que eles são de Portland e que há umas três lojas no sul da Califórnia.

Que sorte a minha!!!! Amei todos os sabores que consegui experimentar: limão com sementes de papoula, o de chocolate, o de maracujá, o de mirtilo simples e o com manjericão, o de maçã, o de gengibre, laranja com azeite, framboesa com alecrim…
Além de ser delicioso e simples de preparar, o donut “bolinho” ainda fica pronto em pouco tempo, já que a massa bem macia leva fermento químico, que dispensa as horas de fermentação, pede só uma horinha de descanso antes de fritar.

Ele afirmam que a maciez da massa vem do buttermilk, ou leitelho em português, que é o soro do leite coalhado, quer dizer, o líquido que escorre quando se faz manteiga, e entra em muitas receitas americanas. Por aqui, a gente precisa das umas adaptadas, pois não é um produto que a gente costuma encontrar nos mercados. Eu vario entre 2 possibilidades, ou junto 1 e ½ colher (sopa) de limão pra cada 1 xícara (chá) de leite e deixo repousar em temperatura ambiente por 15 minutos antes de usar (pra receita abaixo, junto ½ colher de sopa de suco de limão pra 1/3 de xícara de chá de leite), ou uso iogurte, que não tem a mesma textura, mas tem acidez e funciona bem.

Na Blue Star Donuts, a massa é aromatizada com noz-moscada e baunilha, mas eu, além da essência natural de baunilha (essências incríveis), acrescentei pitadas de canela e de gengibre em pó, mas, se preferir, aromatize com raspas de cítricos ou outras especiarias (aromatize o glacê de forma coerente).

Depois de preparar a massa, só abrir com um rolo deixando com mais ou menos 0,5 cm de espessura, cortar as argolas usando um cortador de uns 7 cm e um menor, com uns 2 cm, pra cortar o centro, passar os discos pra uma assadeira, cobrir e descansar por 1 hora.

Na hora de fritar, só aquecer o óleo até surgirem algumas bolhinhas nas laterais (no óleo frio o donut encharca e no quente demais ele doura rápido por fora e fica cru por dentro). Se o óleo aquecer demais, desligue o fogo, aguarde uns minutos e recomece).

Quando os donuts estiverem bem dourados dos dois lados, processo que leva uns 3 a 4min, só escorrer, descansar por uns 2min sobre papel absorvente e passar um lado das argolas ainda quentes no glacê em temperatura ambiente.

Pede um café!

Ingredientes

Massa

  • 2 e ¼ de xícara (chá) de farinha de trigo (270 g)
  • 1 e ½ colher (chá) de fermento químico
  • ¼ de colher (chá) de noz-moscada ralada na hora
  • ¼ de colher (chá) de canela em pó
  • 2 pitadas de sal
  • 25 g de manteiga em temperatura ambiente
  • 1 colher (chá) de essência de baunilha
  • 2 gemas
  • ½ xícara (chá) de açúcar (75 g)
  • 1/3 de xícara (chá) de iogurte natural (80 g)
  • 900 ml de óleo vegetal pra fritar
  • Farinha de trigo pra polvilhar

Glacê

  • 2 xícaras (chá) de açúcar de confeiteiro
  • ¼ de xícara (chá) de água morna (60 ml, aproximadamente)
  • 1 colher (sopa) de essência natural de baunilha (essências incríveis)
  • 2 pitadas de canela em pó
  • 2 pitadas de gengibre em pó

Preparo

Massa – Numa tigela grande, misture a farinha, o fermento, a noz-moscada, a canela, o sal e reserve.

Numa tigela pequena, bata com uma batedeira manual, ou energicamente com um batedor de arame, a manteiga, a baunilha, as gemas, o açúcar e o iogurte até obter uma mistura fofa e cremosa.

Junte o creme batido aos secos e misture até conseguir uma massa macia e que se solte das mãos.

Separe uma assadeira grande.

Polvilhe levemente a bancada com farinha e, com um rolo, abra a massa até ficar com mais ou menos 0,5 cm de espessura. Com um cortador ou com a borda de um copo, divida a massa em discos de uns 7 cm de diâmetro. Em seguida, com um cortador de uns 2 cm, corte e retire um miolo no centro de cada disco. Junte as aparas e os discos menores e repita a operação até a massa acabar.

Coloque os discos na assadeira, cubra com um pano limpo e deixe a massa repousar por 1h (os bolinhos ficam mais leves quando descansam).

Glacê – Enquanto isso, misture numa tigela o açúcar de confeiteiro, a baunilha, a noz-moscada, o gengibre e a canela até obter uma pasta homogênea e de cor perolada, cubra com filme pra não endurecer na superfície e deixe repousar fora da geladeira.

Ao final do tempo, aqueça o óleo numa panela média, ou numa frigideira de paredes altas, até começar a borbulhar nas laterais, então diminua o fogo pra manter o óleo nem quente demais (os bolinhos escurecem por fora, mas ficam crus por dentro) e nem frio (os bolinhos encharcam). Mergulhe uns 3 discos por vez e, banhando com a escumadeira e virando de 1 em 1min, mantenha os donuts na frigideira até que estejam crescidos e dourados dos dois lados, então escorra e deixe sobre papel absorvente por uns 2min.

Com cuidado, segure um donut ainda quente por vez, mergulhe até meia altura no glacê, deixe escorrer o excedente e coloque sobre uma grade pra secar, o que acontece em poucos minutos.

Sirva os donuts ainda mornos com um café.

Até dá pra comer no outro dia, mas eles ficam muito melhores no dia em que preparados e fritos.

2 Comentários

  1. 1

    Helô! Acompanho sempre suas publicações e receitas e Adoro tudo o que você faz. Sempre fico muito segura em reproduzir suas receitas pois tenho certeza que ficará uma delícia!!
    Pergunta para os donuts: Posso assá-los no forno, como seria o resultado? Obrigada por compartilhar todo o seu conhecimento!

    • 2

      Oi, Maria! Que coisa boa de se ler! Fique sempre tranquila que todas as receitas aqui foram testas muitas vezes para garantir que todos que acompanham o site consigam reproduzi-las com sucesso!! Infelizmente a receita dos donuts não fica gostosa com eles assados. Sugiro mesmo que sejam fritos. Espero ter ajudado! Bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *