Adicionar à minha lista

Castanha portuguesa de festa

Ana Bacellar

Castanhas portuguesas sempre têm cara de festa, são tudo de bom e eu gosto delas de tudo o quanto é jeito, adoro a textura quase cremosa e o sabor adocicado, que vai bem em doces e também em salgados.

São deliciosas quando grelhadas (como as que a gente encontra no inverno pelas ruas de Paris e de outras cidades europeias) e cozidas como purê, sopas e fazendo parte de outros pratos, como um risotto.

Na minha família, não há festa de natal sem o doce cremoso de castanha portuguesa, que duas tias do meu pai prepararam por anos a fio e eu assumi a função há uns 30. Além do custo, que nunca é baixo, e do curto período em que se encontra castanha fresca e de qualidade, o grande problema está no preparo inicial, quer dizer, no ato descascar as castanhas.

Duvido que exista alguém que goste de descascar castanhas, já que o processo é demorado, a pele não sai com facilidade assim que as castanhas amornam, os dedos ficam escuros e parece que a tarefa não vai terminar nunca. Só que, apesar de tudo isso, eu não deixo de preparar pelo menos de 3 a 4 quilos de castanhas pra fazer doce todo final de ano. Confesso que, até hoje, apesar de ter testado tudo o quanto é sugestão que vejo pra conseguir descascar castanhas com facilidade, não achei nada de revolucionário e mágico.

Quando vou processar as castanhas, eu lavo, corto cada uma delas ao meio com a casca externa, cozinho até amaciar, retiro do fogo, deixo todas elas nessa água quente pra que não endureçam, pego no máximo umas 3 por vez, descarto a casca marrom e dura com uma faca pequena e, em seguida, puxo e descarto a pele que fica quase que colada à polpa.

O trabalho é maior quando preciso de ao menos um tanto de castanhas inteiras (algumas quebram mesmo, é inevitável, mas nada grave): faço um corte profundo na base de cada uma delas, descartando o tanto necessário pra deixar um tanto da polpa aparente, cozinho em água por uns 15min a partir da fervura, até que amaciem e as cascas inchem, depois vou retirando de 3 em 3 e descascando.

A técnica do microondas também funciona: coloco umas 5 castanhas numa tigela, molho com bastante água (se possível, até deixo as castanhas de molho por uns 5min e escorro antes do processo), levo ao micro-ondas por uns 2min e descasco (dependendo da potência do microondas, o processo pode levar uns segundos a menos ou a mais).

Se a preguiça falar mais alto, conseguir encontrar e o preço for razoável, compre castanhas congeladas já descascadas e prontas pra cozinhar (elas ficam macias com uns 10min de fervura). Na Casa Santa Luzia, sempre há sacos de castanhas portuguesas congeladas (de Trás-os-Montes).

A receita que vai aqui fica deliciosa, acompanha assados e também fica perfeita como prato principal de refeições vegetarianas e veganas, além de ainda deixar felizes os intolerantes à lactose e a glúten. Na falta do pistache, use a castanha que quiser e, se não gostar, ou não tiver sálvia por perto, fique com tomilho, orégano fresco ou endro.

Estimei o tempo em 30min considerando castanhas já cozidas e descascadas, mas ele aumenta em pelo menos 1h se elas estiverem inteiras e cruas.

Ingredientes

  • 500 g de castanha portuguesa cozida e descascada
  • 1 xícara (chá) de caldo de legumes ou água (240 ml)
  • 1/2 xícara (chá) de pistache torrado e descascado (60 g)
  • 4 folhas de sálvia (além de mais algumas pra decorar; ou tomilho, endro, orégano fresco)
  • Azeite de oliva
  • Sal
  • Pimenta

Preparo

Aqueça a castanha no caldo por uns 5min, até que esteja quente e macia (não se preocupe se o caldo terminar, pois ele não será necessário).

Aqueça umas 2 colheres (sopa) de azeite numa frigideira grande, junte o pistache e deixe perfumar e começar a dourar.

Junte a castanha, sal e pimenta e misture com bastante delicadeza pra conseguir a maior quantidade possível de castanhas inteiras ou em pedaços grandes (mas sem problemas se elas se quebrarem).

Acrescente as folhas de sálvia bem picadinhas, ajuste o sal e a pimenta, regue com mais um fio de azeite e transfira pro prato de servir.

2 Comentários

  1. 1
    • 2

      Silvia, boa noite!
      Aqui em casa a gente já assou na chapa do logão de lenha, mas não no forno. Testaremos assim que as castanhas frescas chegarem por aqui, pois todos aqui são apaixonados por castanhas.
      Muito brigada pela dica.
      Abraços, Ana e Helô

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *